Perguntas Frequentes

Por que o Portal da Transparência Cidadã foi criado?

O Portal da Transparência é por determinação da LEI COMPLEMENTAR Nº 131, DE 27 DE MAIO DE 2009 sque acrescentou dispositivos à Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, que estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências, a fim de determinar a disponibilização, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios garantindo a sociedade o acesso as informações do poder Executivo em um portal para essa finalidade.

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.

Como é atualizado o Portal Transparência Cidadã?

O Portal é atualizado diariamente com dados extraídos de diversos sistemas do poder Executivo Municipal (Prefeitura, Autarquias e Fundação) e outros sistemas de origem Estadual e Federal.

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.

Quais informações o Portal da Transparência Cidadã disponibiliza à sociedade?

No Portal encontramos todas as despesas em suas respectivas fases, receitas, contratos, extratos de licitação a execução orçamentaria do município, os servidores, gastos com publicidade, gastos com educação, gastos com saúde, legislação, licitações, dados exigidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, estrutura do poder Executivo, telefones para contato entre outras informações.

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.

Quais as opções de consulta disponíveis no Portal da Transparência?

A consulta pode ser feita por:

• Despesa – por fase, período, nome do credor, CPF ou CNPJ e tipo de unidade;

• Receita – tipo e período;

• Servidores municipais – é possível consultar por ano, mês, entidade se direta ou indireta e o tipo de regime (efetivo, comissionado…) e saber o valor da folha de pagamento total por mês;

• Gasto com Educação e Saúde – é possível consultar a aplicação em Saúde com Recursos Próprios, consultar a aplicação na Manutenção e Desenvolvimento do Ensino e por ano, sendo que quando feita a consulta em um determinado exercício o resultado vai trazer o valor mensal aplicado em cada caso acima mencionado;

• Gastos com Publicidade – é possível fazer a consulta por entidade direta ou indireta do município, sendo possível a seleção do exercício;

• Situação de Obra/Serviço – é possível verificar a situação de determinada obra/serviço e usar os seguintes filtro para consulta: Entidade (direta do indireta), Inicio da Obra, Descrição, Detalhe da Obra, Situação da Obra e por Empresa/Executor;

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.

Qual a fonte dos dados fornecidos pelo Portal da Transparência Cidadâ?

Sistemas do poder Executivo Municipal, dados do Tribunal de Contas dos Municípios TCM, dados do Banco do Brasil (Demonstrativo de distribuição de arrecadação), Controladoria Geral da União – CGU, Ministério da Saúde entre outros.

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.

O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)?

A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código de conduta para os administradores públicos de todo o país, que passa a valer para os três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário), nas três esferas de governo (federal, estadual e municipal).

A Lei de Responsabilidade Fiscal vai mudar a história da administração pública no Brasil. Através dela, todos os governantes passarão a obedecer a normas e limites para administrar as finanças, prestando contas sobre quanto e como gastam os recursos da sociedade.

Fonte: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.

Qual finalidade da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF?

Melhorar a administração das contas públicas no Brasil. Com ela, todos os governantes passarão a ter compromisso com orçamento e com metas, que devem ser apresentadas e aprovadas pelo respectivo Poder Legislativo.

Fonte: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.

Principais pontos da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF?

A Lei fixa limites para despesas com pessoal, para dívida pública e ainda determina que sejam criadas metas para controlar receitas e despesas. Além disso, segundo a LRF, nenhum governante pode criar uma nova despesa continuada (por mais de dois anos), sem indicar sua fonte de receita ou sem reduzir outras despesas já existentes. Isso faz com que o governante consiga sempre pagar despesas, sem comprometer o orçamento ou orçamentos futuros.

Fonte: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.

Como a sociedade pode colaborar para o sucesso da LRF?

De acordo com a LRF, cada governante tem de publicar a cada quatro meses o Relatório de Gestão Fiscal (RGF), que informa, em linguagem simples e objetiva as contas da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, do Ministério Público e dos Poderes Legislativo e Judiciário de todas as esferas de governo. Assim, os eleitores, os credores, os investidores e todos os cidadãos terão acesso às contas, com o objetivo de ajudar a garantir a boa gestão do dinheiro público.

Além disso, cada governante tem de publicar, a cada dois meses, balanços simplificados das finanças que administra. O acesso público deve ser garantido, inclusive pela internet. A partir daí, caberá à sociedade cobrar ações e providências de seus governantes, e julgar se estão procedendo de forma responsável na gestão fiscal.

A intenção é justamente aumentar a transparência na gestão do gasto público, permitindo que os mecanismos de mercado e o processo político sirvam como instrumento de controle e punição dos governantes que não agirem de maneira correta.

Ao mesmo tempo, espera-se que os bons administradores sejam premiados com o reconhecimento da população e do mercado, inclusive com maior acesso a crédito.

Fonte: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.

O que acontecerá se as regras não forem respeitadas ?

O governante que não cumprir a LRF, que inclusive apresenta prazos, alternativas e caminhos para que suas regras possam ser cumpridas, vai estar sujeito a penalidades, também chamadas de sanções.

Há dois tipos de sanções: as institucionais, previstas na própria LRF, e as pessoais, previstas na lei ordinária que trata de Crimes de Responsabilidade Fiscal. Segundo a LRF, os Tribunais de Contas fiscalizarão o cumprimento de suas normas.

Como exemplos de sanções institucionais temos:

• para o governante que não prever, arrecadar e cobrar tributos (impostos, taxas e contribuições) que sejam de sua competência, serão suspensas as transferências voluntárias, que são recursos geralmente da União ou dos Estados, transferidos, por exemplo, através de convênios, que permitirão a construção de casas populares, escolas, obras de saneamento e outros;

• para quem exceder 95% do limite máximo de gastos com pessoal, fica suspensa a concessão de novas vantagens aos servidores, a criação de cargos, as novas admissões e a contratação de horas extras. Uma vez ultrapassado o limite máximo ficam também suspensas a contratação de operações de crédito e a obtenção de garantias da União; e

• quem desrespeitar os limites para a dívida, depois de vencido o prazo de retorno ao limite máximo e enquanto perdurar o excesso, não receberá recursos da União ou do Estado, através de transferências voluntárias.

Há também as sanções pessoais, previstas em uma lei ordinária – a Lei de Crimes de Responsabilidade Fiscal. Segundo a Lei de Crimes, os governantes poderão ser responsabilizados pessoalmente e punidos, por exemplo, com: perda de cargo, proibição de exercer emprego público, pagamento de multas e até prisão.

Fonte: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.

Porque a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é tão importante para o país ?

O governante que não cumprir a LRF, que inclusive apresenta prazos, alternativas e caminhos para que suas regras possam ser cumpridas, vai estar sujeito a penalidades, também chamadas de sanções.

Há dois tipos de sanções: as institucionais, previstas na própria LRF, e as pessoais, previstas na lei ordinária que trata de Crimes de Responsabilidade Fiscal. Segundo a LRF, os Tribunais de Contas fiscalizarão o cumprimento de suas normas.

Como exemplos de sanções institucionais temos:

• para o governante que não prever, arrecadar e cobrar tributos (impostos, taxas e contribuições) que sejam de sua competência, serão suspensas as transferências voluntárias, que são recursos geralmente da União ou dos Estados, transferidos, por exemplo, através de convênios, que permitirão a construção de casas populares, escolas, obras de saneamento e outros;

• para quem exceder 95% do limite máximo de gastos com pessoal, fica suspensa a concessão de novas vantagens aos servidores, a criação de cargos, as novas admissões e a contratação de horas extras. Uma vez ultrapassado o limite máximo ficam também suspensas a contratação de operações de crédito e a obtenção de garantias da União; e

• quem desrespeitar os limites para a dívida, depois de vencido o prazo de retorno ao limite máximo e enquanto perdurar o excesso, não receberá recursos da União ou do Estado, através de transferências voluntárias.

Há também as sanções pessoais, previstas em uma lei ordinária – a Lei de Crimes de Responsabilidade Fiscal. Segundo a Lei de Crimes, os governantes poderão ser responsabilizados pessoalmente e punidos, por exemplo, com: perda de cargo, proibição de exercer emprego público, pagamento de multas e até prisão.

Significado das palavras ou siglas clique aqui para ir ao glossário.

Dúvidas clique aqui e entre em contato com a equipe do portal.